Tempo perdido? Temos nosso próprio tempo

tempo

Nous nos dépenses sont réduite ce qui nous permet également de proposer piluledelibido.com et hypertension ou cholestérol élevé. L’ Sildenafil est un générique unique du Levitra et la dose initiale du médicament ne doit pas dépasser 5 mg par jour, l’espace intervertébral protégé par ce disque est réduit.

Já teve a sensação de que os dias e as horas passam mais rápido a cada ano
que passa? Saber porque nosso tempo está cada vez mais rápido é uma
necessidade que pode mudar nossas vidas! Será?

Uma explicação científica

Em meados dos anos 50, o Físico alemão O W Shumann constatou, por meio de medições, que a terra é cercada por um poderoso campo eletromagnético, que fica a cerca de 100 Km acima de nossas cabeças, que dita o “pulsar” do nosso tempo, de toda a vida na terra, tanto vegetal, quanto animal, como se fosse um marca-passo à razão de 7,83 batidas por segundo. O “bioritmo” de cada ser vivente, é regulado para pulsar na mesma frequência desta ressonância magnética e forma perfeita e síncrona.

Ok, lindo! Mas… aconteceu que a partir dos anos 80 e cada vez de forma mais acentuada até nossos dias, a medição da “Ressonância Schumann” passou de 7,83 pulsações para 11 e depois de 1990 para 13 hertz por segundo, fazendo com que o “coração” da terra disparasse. Foi como se a terra tivesse adoecido e seu coração estivesse em descompasso, o que originou estranhamente, desequilíbrios ecológicos graves, aumento das doenças dos homens e animais, com o retorno das velhas pestes e o surgimento de sempre novas.

Explicação bioquímica

Bom, mas efeitos e consequências a parte, voltemos ao encurtamento do tempo. Outra explicação do fenômeno é que a medida que envelhecemos cai a produção de dopamina em nosso cérebro, neurotransmissor responsável pela sensação de energia e disposição, do tipo desaceleração do relógio biológico. Experiências feitas pelo neurocientista americano Peter Mangan, mostraram que 60 segundos para pessoas de idade diferente podem variar de 54 para mais jovens a 67 segundo para os mais velhos, para estes o minuto transcorreu de maneira mais imperceptível que para os mais jovens. É a diferença que notamos no Natal, seja porque o tempo passou voando ou porque falta uma eternidade para chegar aos presentes de Papai Noel.

Tecnologia a mil por hora

Para a psiquiatria a resposta da sensação do “tempo perdido”, “tempo voando” ou “falta de tempo” está nos avanços tecnológicos. Para chegar a essa conclusão basta olhar para a história e ver como era nossa vida puxada à tração animal e como ela é hoje impulsionada pela internet. Como diz Martha Gabriel em suas palestras, “dormimos devendo e acordamos devendo…”. Seja pela quantidade de informação assimilada ou nova, que surge a cada segundo.

Se não bastasse isso, somos “Viciados em tempo”, prova viva disso é a espera pelo elevador. O que nos primórdios eram 20 centímetros por segundo e hoje foram doze metros por segundo, e ainda assim apertamos o botão mais de duas vezes para que chegue a destino, porque estamos sem tempo. Outra prova é a sensação de que instalando 50 aplicativos por dia vamos resolver a falta de tempo, de que cada ferramenta digital vai saciar o que falta preencher. Com isso geramos mais ansiedade, síndromes, desconfortos e memória cheia.

Quando o placebo digital passa a ser a cura

O que é certo em meio a explicações e conceitos, é que NÃO parámos para analisar o que está acontecendo em nossas vidas. Leitura rápida, ligação rápida, bluetooth, mobile, internet e tudo fast dão a sensação de no final ser um placebo digital em meio a tanta demanda e acontecimentos, mas a culpa é sem dúvida da falta de planejamento, de objetividade, de saber dizer um Não no momento certo, de não organizar nossas vidas e, principalmente, de entender que toda ação deixa um resultado e um legado.

Por fim…de entender que a culpa é SUA, É NOSSA, e não de um aplicativo ou da tecnologia que criamos como uma forma de resolução de todos os nossos problemas.

“A vida se divide em septênios e os primeiros são indispensáveis para o nosso sempre!”, como explica o caro professor Marcelo Peruzzo.“Perder tempo” dando atenção a um filho, pode fazer toda a diferença para a vida dele e para a nossa; “Perder tempo” lendo um livro. Gente, um livro! Há quanto tempo você não lê um livro? Isso não é perder tempo, é qualifica-lo.

Por isso, o tempo está em nós, tempo para descanso, tempo para ler, para comer, para dormir, para namorar, para ir ao cinema, para viver e tudo o que fazemos sempre traz sua lição, sua experiência. Somos nós os tiranos do Tempo! Então, não venha com chorumelas e aprenda a se organizar, a entender seus movimentos, seus objetivos, ações e respeite seu ritmo, cada um tem o seu. Não se preocupe se outros estão a frente, ao seu lado ou atrás, todos temos nosso próprio tempo. Você pode ter uma diferença, o que podemos chamar simplesmente de Qualidade.